Glória do desporto nacional!

Oh, Internacional

Que eu vivo a exaltar

Levas a plagas distantes

Feitos relevantes

Vives a brilhar

Correm os anos, surge o amanhã

Radioso de luz, varonil

Segue a tua senda de vitórias

Colorado das glórias

Orgulho do Brasil

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Tesourinha: O "Melhoral dos Cracks"

Nascido Osmar Fortes Barcellos, em Porto Alegre, no ano de 1921, ganhou o apelido de Tesourinha em decorrência da sua participação no bloco de carnaval Os Tesouras, fundado pelo seu padrasto. 

Tesourinha participava dos desfiles em companhia do irmão mais velho, Ademar. Ambos levavam o estandarte do bloco pelas ruas da Cidade Baixa. Ademar passou a ser conhecido como Tesoura, enquanto Osmar, por ser menor e mais novo, virou Tesourinha, que passou a ser sua identidade e como se tornaria conhecido.

Fonte: Sport Club Internacional.
No dia 23 de outubro de 1939, no Estádio da Montanha (Cemitério João XXIII, atualmente), contra o Cruzeiro, Tesourinha substitui Carlitos, lesionado. Vitória de 2 x 1 para o Internacional, em jogo válido pelo Campeonato Metropolitano. Era a estreia daquele que se tornaria a grande estrela do Rolo Compressor e que como parte do pagamento, durante o período inicial de sua carreira, recebia diariamente dois litros de leite e um quilo de carne, a fim de bem nutrir o minguado atleta, cujo tamanho era inversamente proporcional ao seu futebol.

Fonte: JÚNIOR, Amaro. Almanaque esportivo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Tipografia Esperança, 1946.
Ao lado de Carlitos, Adãozinho e Villalba formou o clássico ataque que conquistou, consecutivamente, os títulos Estaduais de 1940 a 1945 e o Bicampeonato de 1947 e 1948. O dono da camisa sete Colorada tinha um estilo de jogo fulminante e decidido, famoso tanto pela sua extrema velocidade no arranque, quanto pelos seus dribles rápidos e desconcertantes.

Fonte: JÚNIOR, Amaro. Almanaque esportivo do Rio Grande do Sul.Porto Alegre: Tipografia Esperança, 1943.
Tesourinha teve uma existência marcada pela primazia do pioneirismo. Em 1944, torna-se o primeiro atleta do Sport Club Internacional (atuando pelo clube) convocado para a Seleção Brasileira, onde compôs o ataque com Zizinho, Jair, Ademir e Heleno de Freitas. Em 1949 conquista o Sul-Americano de Seleções, quando marcou sete gols e foi escolhido como o melhor do campeonato.

Fonte: Sport Club Internacional.
No dia 15 de janeiro de 1949, em concurso nacional realizado pelo fabricante do remédio Melhoral, é eleito pelo voto popular como o Melhoral dos Cracks. O prêmio foi um apartamento na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro/RJ. No final daquele ano jogaria no Vasco da Gama, onde seria Bicampeão Carioca, o primeiro da era Maracanã, construído para a realização da Copa do Mundo no Brasil.

Em 1950, a maior decepção: o craque não pôde realizar o sonho de jogar uma Copa do Mundo. A lesão no joelho direito sepultou com as suas chances na Seleção Brasileira que disputou a competição. Muitos juram até hoje que com ele a sorte do Brasil naquele mundial teria sido diferente.

Fonte: Sport Club Internacional. 12/3/1943 - Grenal n° 76 - Inter 5 x 1 Grêmio. 
Entretanto, ainda não era o fim de sua brilhante carreira. Tesourinha realizaria mais uma façanha inédita. No dia 16 de março de 1952, marca um gol na vitória do Grêmio de cinco a três contra o Juventude. 

Esta informação seria absolutamente irrelevante, não fosse pelo fato de Tesourinha ser negro. O Grêmio, através de seu presidente Saturnino Vanzeloti, vencia o preconceito e, rompendo com disposição contida no estatuto do clube, contratava Tesourinha para vestir a camisa Tricolor.

A contratação de Tesourinha foi tão polêmica que obrigou a diretoria do Grêmio a publicar nota oficial do clube na imprensa, que destaco parcialmente:

A Diretoria do Grêmio P. A. vem trazer a conhecimento de seus associados e simpatizantes que, por decisão unânime, resolveu tornar insubsistente a norma que vinha sendo seguida de não incluir atleta de cor em sua representação de futebol. O uso que se formou, a tradição que se consolidou não podem mais prevalecer na época atual, onde um profissionalismo absoluto está a exigir sempre as mais decididas medidas para garantir da sobrevivência das agremiações. Seguimos, com a orientação que tomamos, a exemplo das mais gloriosas e tradicionais agremiações do Brasil e do Continente.

Cinco anos depois ele se despedia oficialmente dos gramados vestindo a camiseta do Nacional de Porto Alegre, numa carreira marcada por glórias e conquistas.

Em 1979, aos 57 anos, é vitimado por um câncer no estômago.

Antes, porém, teve a oportunidade de receber uma justa homenagem: em 26 de março de 1969, no jogo festivo de despedida do Estádio Eucaliptos, vestiu pela última vez a lendária camisa sete vermelha, aos 47 anos de idade, para o delírio do público presente.

Numa mescla dos craques que iluminaram o velho estádio, com as promessas que estreariam o majestoso Beira-Rio, o Sport Club Internacional, que venceu o jogo contra o Rio Grande pelo placar de 4 x 1, contou com a seguinte escalação: Gainete (Schneider); Laurício (Madureira), Pontes (Macau), Valmir e Sadi (Jorge Andrade); Lamas (Tovar), Dorinho (Rui) e Bráulio (Tesourinha); Valdomiro (Gilson Porto), Sergio (Marciano) e Urruzmendi (Cuca).

Texto: Stephanos Demetriou Stephanou Neto, historiador.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Procissão de Inauguração da Capela Nossa Senhora das Vitórias

As fotos abaixo relacionadas mostram como foi a noite da inauguração da Capela Nossa Senhora das Vitórias e a procissão que acompanhou a transferência da estátua da padroeira do Clube de sua antiga sede - Estádio dos Eucaliptos - para a nova morada. Alem disso, temos algumas imagens do local da construção da capela, que está localizada em frente ao Portão 01 do Estádio Beira-Rio. A arquitetura escolhida para a construção seguiu o mesmo estilo das demais obras do Inter: formato circular com linhas modernas e funcionais. 
Fonte: Sport Club Internacional.
Fonte: Sport Club Internacional.

A Torcida Falcão Povão acompanhou o carro que levava a padroeira do clube:







Abaixo uma imagem da capela em 2007, quando foi reformada e reinaugurada:

Foto: Alexandre Lops.
As fotografias com a legenda "Inauguração da Nova Capela do S. C. Internacional" foram entregues ao Arquivo Histórico pela secretária do Conselho Deliberativo, Norma Prates, que recebeu o álbum do Ex-Presidente José Asmuz. 

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Memórias Coloradas: Sandro Viero

Já falamos aqui no blog sobre alguns esportes que o Internacional manteve ao longo dos anos, um desses esportes foi o cestobol. O Estatuto de 1966 nos apresenta as conquistas do Inter nessa modalidade, como podemos ver abaixo: 

Estatuto de 1966.

O colorado Sandro Viero nos enviou recentemente uma placa que foi entregue a seu avô, Tarquinio Antonio Viero Filho em virtude da conquista do bicampeonato de basket-ball nos anos de 1932 e 1933.  


É interessante destacar, também, a flâmula abaixo, confeccionada após o tetracampeonato nos anos de 1957 a 1960. 

Flâmula tetracampeonato de basquete.
É extremamente importante para nós, do Arquivo Histórico, conhecer um pouco dessas pessoas que fizeram parte da história do clube, mas que acabaram deixando pouco - ou nenhum - registro. Resgatar essas memórias é um dos objetivos do Projeto Preservando Tesouros Colorados, que visa ampliar o acervo documental sobre a história do Sport Club Internacional.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

A primeira condição para modificar a realidade consiste em conhecê-la. Eduardo Galeano.


Aos 74, despede-se de nós o escritor uruguaio Eduardo Galeano. Autor de muitas obras, mais de 40, na verdade... amante do futebol - até sonhou em ser jogador -, em sua obra Futebol ao Sol e à Sombra, Galeano externa os meandros desta arte tão popular. No que podemos chamar de ensaio sociológico, ele desnuda o futebol atual com suas técnicas de vencer e vencer em contraponto ao futebol das massas, das paixões incansáveis daquele que  tem no futebol a sua única alegria (e na temática constante deste escritor): o povo. 

A Biblioteca Zeferino Brazil e o Arquivo Histórico do Sport Club Internacional não poderiam deixar de homenagear este homem que em suas obras nos ensinou a ser plural sem perder a singularidade.

Ana Bicca 13/04/2015

segunda-feira, 6 de abril de 2015

46 anos do Gigante da Beira Rio!

Hoje o Gigante da Beira Rio completa quarenta e seis anos! Abaixo um pouco da história do estádio, considerado a alma do torcedor colorado. 



Em setembro de 1956 o vereador Ephraim Pinheiro Cabral apresentava na Câmara um projeto para a doação de um terreno localizado em uma área que seria aterrada no Rio Guaíba. Assim, em um terreno dentro da água, surgia o novo estádio colorado. 


A Pedra Fundamental do Estádio Colorado foi lançada em 1959 e com ela a esperança de toda a torcida para que a casa nova fosse palco de muitas conquistas. Torcida esta que contribuiu ativamente para a construção do Gigante, doando dinheiro, tijolos e cimento para a realização de um sonho. 

Contando com diversas campanhas para arrecadação de materiais, o estádio começou a tomar forma durante a década de 60. José Pinheiro Borda (imagem ao lado, junto à maquete do Beira-Rio), presidente do Conselho Administrativo do Sport Club Internacional e da Comissão de Obras do Estádio Beira-Rio, dedicou os anos finais da sua vida ao Clube, trabalhando para a construção do estádio. Graças a ele tivemos as campanhas mostradas abaixo, de doação de tijolos e cimento, que datam de 1962.  




Campanha do Tijolo e do Cimento. 
Os colorados puderam acompanhar de perto a vitória contra o Benfica por 2x1 na inauguração do Beira-Rio, com gols de Claudiomiro, Eusébio (Benfica) e Gilson Porto. Essa foi a primeira vitória dentro do Gigante, mas o que se seguiu foi a sequencia de conquistas que resultaria no octacampeonato gaúcho, assim como a formação da equipe que viria a conquistar o primeiro título brasileiro em 1975. 

A obra para a Copa do Mundo trouxe uma revitalização para o estádio, mas as bases continuam as mesmas. Os tijolos doados pelos torcedores ainda estão lá, servindo como apoio para a nova estrutura. A alma do estádio continua firme!!!!

Para saber mais sobra a história do Gigante, clique aqui.


sábado, 4 de abril de 2015

106 anos do Sport Club Internacional!


Fundado em 09 de abril de 1909, de uma iniciativa dos irmãos Poppe (Henrique Poppe Leão, José Eduardo Poppe e Luiz Madeira Poppe), o Sport Club Internacional hoje completa 106 anos de existência. Parabéns a todos os colorados!